Sábado, 29 de Abril de 2006

Desvendado mistério da camisola 17

Com o objectivo de elevar as mulheres portuguesas ao estatuto de apoiantes da Selecção Nacional, o BES e a Federação Portuguesa de Futebol já têm a passar no horário nobre das várias televisões, um ‘teaser’ publicitário que deixa no ar a questão: “Você sabe quem veste a camisola 17 da selecção?”

Engana-se quem pensar que é o Cristiano Ronaldo. O craque vai fazê-lo nos relvados mas, antes disso, quatro belas mulheres vão usar a camisola n.º 17 .

As heroínas do anúncio são as actrizes Rita Salema e Luciana Abreu (Floribella) e as apresentadoras da SIC Fátima Lopes e Rita Andrade.

“Acho importante as mulheres portuguesas apoiarem a Selecção para que o futebol não seja um reduto masculino”, explicou Rita Salema que, ontem mesmo, já começou a fazer campanha no Porto. “Estive no Porto e não tive muita dificuldade em fazer passar a mensagem às portuguesas. E a força das mulheres é enorme. Se for pelo apoio do sexo feminino, o Mundial já está ganho”, explicou a actriz.

No dia 3 de Maio, quarta-feira, na sede da FPF, e com a presença de Luiz Felipe Scolari, as quatro famosas serão apresentadas publicamente.

Fonte: Correio da Manhã

Maria João Bastos em “O Veneno da Madrugada”

Ainda saboreia o sucesso conseguido com o seu papel de vilã em “Mundo Meu” e já está na ribalta outra vez. Maria João Bastos é uma das actrizes que entra no filme brasileiro “O Veneno da Madrugada” que, agora, estreia em Portugal.

Na longa-metragem, a actriz interpreta Rebecca Assis, uma das poucas mulheres que sobressaem numa história em que os homens são protagonistas absolutos. “Parece apagada, submissa, mas acaba por ter um papel fundamental. É a mulher na vida de um homem. Está sempre lá, à espera do marido. Numa sociedade em que são eles que mandam, é muito engraçado ver como ela se torna importante”, explica Maria João. A importância do seu papel cresce à medida que o conflito se adensa.

Num dia em que não pára de chover numa cidade perdida no mapa, Rebecca é acusada por toda a população de ter traído o marido, depois de uns pequenos folhetos terem circulado com a notícia. O facto gera a ira do cônjuge e dá-se o confronto. No entanto, tudo não passa de uma vil mentira. “É acusada injustamente”, sublinha. E vai ter de provar a sua inocência. Mais um desafio na carreira da actriz, que sempre que pode faz cinema. “Gosto imenso. E esta foi uma experiência muito boa. Trabalhei com o Ruy Guerra, que é considerado um dos melhores realizadores brasileiros. Foi uma oportunidade única”, refere ainda.

Difícil foi habituar-se ao sotaque brasileiro com que, desta vez, teve de enfrentar as câmaras. Apesar de já ter feito inúmeros trabalhos em terras de Vera Cruz, Maria João nunca recorreu ao português do Brasil. Ter de o fazer nesta longa-metragem deixou-a pouco à vontade. “Foi muito difícil. Acho que prejudica a interpretação”, confessa. Mesmo assim, o balanço é positivo. “Adorei!”, remata.

Preparada para arrancar na novela de Rui Vilhena
Trabalho não falta a Maria João Bastos. Neste momento, encontra-se a preparar o seu próximo projecto televisivo, pois foi escolhida para ser Raquel em “Dinheiro Vivo”, novela da TVI, escrita por Rui Vilhena. Um novo desafio na sua carreira. “É um papel muito diferente do anterior. A Raquel é o oposto da Sofia de ‘Mundo Meu’. É genuína, boa, diz o que lhe vem à cabeça, sem premeditações. É uma mulher de emoções. Espero conseguir estar à altura...”
TV Mais

Filipe Diegues recorda com emoção o seu melhor amigo, Francisco Adam

  

As palavras são poucas, os verbos quase sempre empregues no presente. Filipe Diegues, de 21 anos, que viajava com Francisco Adam na fatídica noite, nunca se refere ao amigo como se ele já não existisse. Num fim de tarde na Praia do Atlântico, em Francelos, a poucos quilómetros de Vila Nova de Gaia, o estudante de Engenharia Electrotécnica de Sistemas Eléctricos de Energia quebra o silêncio e, com a voz embargada, recorda o dia em que conheceu o Dino de "Morangos com Açúcar".

Revela que a empatia entre ambos foi imediata e conta como os dois alimentavam diariamente a sua amizade. Filipe Diegues usa um colar cervical que denuncia uma fractura na sexta vértebra cervical, consequência do acidente de viação que ocorreu na madrugada de domingo de Páscoa, na Estrada Nacional 118, perto do Campo de Tiro de Alcochete. Mas o pior são as feridas psicológicas, que certamente levarão mais tempo a sarar. Para superar esta tragédia, o irmão da actriz Olga Diegues e primo do ex-futebolista Dani, conta com o incondicional apoio da família, dos amigos e de uma psicóloga.

Na noite do acidente, os dois amigos com Tó Serrão, relações públicas do Club In Campo

Enquanto fala com a CARAS, Filipe vagueia pelos seus pensamentos, fuma um cigarro e pousa os olhos nas inúmeras fotografias que tem guardadas no seu computador portátil. À medida que vai relembrando os últimos acontecimentos, o seu olhar esmorece. Aos poucos, parece ganhar consciência de que nunca mais estará com Francisco, ou Chico, como era tratado, e os silêncios que por vezes interrompem a conversa são sinónimo de uma dor irreparável.

– Como é que conheceu o Francisco?
– Em Julho do ano passado eu estava a trabalhar como relações públicas na discoteca Superclube, no Porto, e o Francisco foi lá com alguns amigos, entre os quais uma amiga comum, a Maria Sampaio, que nos apresentou. Houve logo uma grande empatia entre nós, como se nos conhecêssemos há muito tempo. No dia seguinte ele foi a minha casa e viemos almoçar aqui ao Bar Praia do Atlântico, apanhámos sol e demos uns mergulhos. Desde aí mantivemos o contacto. Quando ele vinha ao Porto em trabalho marcava sempre um quarto duplo no hotel, para que eu ficasse com ele. E passei a ir com ele às sessões de autógrafos, mesmo quando eram longe do Porto.

Na noite em que se conheceram, em Julho de 2005, Francisco e Filipe com Maria Sampaio, a amiga comum que os apresentou

 

– Passaram mesmo a cultivar a mesma maneira de vestir, a usar boné com a pala para o lado e uma argola na orelha esquerda…
– Sim. Aliás, perguntavam-lhe imensas vezes se éramos irmãos e o Chico respondia que eu era o seu irmão mais novo. Além da mesma maneira de vestir, temos a mesma forma de estar e de pensar.

– Era uma amizade alimentada diariamente?
– Sim, falávamos imensas vezes ao telefone e programávamos sempre os fins-de-semana de forma a estarmos juntos. Aliás, na quinta-feira antes do acidente tínhamos ido a uma festa na FIL e na sexta estivemos o dia todo em minha casa, no Parque das Nações, com mais um amigo. À noite fomos jantar ao Bairro Alto, a um restaurante onde o Chico já tinha ido com a namorada, a Carolina (Patrocínio), depois fomos ao bar de um amigo nosso, passámos na discoteca The Loft e depois fomos ao Lux.

– E no sábado, antes da noite fatídica?
– O Chico passou o dia com a Carolina, que tinha vindo propositadamente do Algarve para estar com ele, e por volta das 23 horas ligou-me para irmos para o Club In Campo, em Coruche, onde ele ia dar autógrafos. Fomos ter com o Sr. Osvaldo Serrão (o outro ocupante do carro, que ainda está internado) a um restaurante onde jantámos e depois seguimos para a discoteca. Estivemos lá entre a uma e as três da manhã e de seguida iríamos para Santa Cruz, onde passaríamos o domingo de Páscoa. Antes de sairmos da discoteca pedimos ao DJ para voltar a pôr a música Elektro, do grupo Outwork, que ouvimos o fim-de-semana todo e nos marcou. Dançámos e depois saímos.

– Lembra-se como é que aconteceu o acidente?
– Vínhamos à conversa e o Chico vinha a comentar como é que miúdos de 7, 8 anos estão às três da manhã numa discoteca por causa de um autógrafo, e a dizer que era preferível que houvesse matinés para crianças dessa idade. Eu, ao mesmo tempo, estava a mandar mensagens de telemóvel e, de repente, senti o carro travar, galgar o separador central de cimento e capotar. Estive sempre consciente. Quando o carro parou, não se via nada, estava tudo escuro, e eu tinha ido parar ao outro lado do banco...

– Então não levava cinto de segurança?
– Não. É lógico que se deve usar cinto, e pode não ser correcto da minha parte dizer isto, mas se tivesse cinto não sei se teria sobrevivido. O lado onde eu ia ficou completamente esmagado... Mas como estava a dizer, apareci do lado oposto, com as pernas entaladas entre o banco de trás e o da frente e a cabeça a bater no tejadilho. Parti o vidro do meu lado, meti as mãos fora do carro e abri a porta. Consegui soltar as pernas e, quando finalmente saí do carro, procurei o telemóvel para chamar o INEM, mas não o encontrei. Dirigi-me para a porta do pendura e consegui abri-la. O Sr. Osvaldo estava com o cinto e tinha a parte da cabeça e dos membros superiores deslocados para a zona central do carro. Tirei-lhe a pulsação e vi que ainda respirava. Depois fui para o lado do Chico e parti o vidro. Ele tinha a cara no airbag, que rebentou. Tentei ver se reagia ao medir a sua pulsação, mas no meio do pânico não quis perceber a verdade. Depois fui para o meio da estrada pedir ajuda. Quando parou um carro com um senhor que chamou a ambulância, fui novamente para junto do Chico e voltei a tirar-lhe o pulso. Foi nessa altura que percebi que o coração não batia. Fiz tudo para o salvar e não consegui. Pedi-lhe para ele não morrer, mas ele morreu à minha frente. Senti-me tão impotente...

– Foi aí que teve a noção de que o Francisco tinha morrido?
– Acho que não. Lembro-me ainda da ambulância e do carro dos bombeiros terem chegado. Foram estes que o deram logo quase como… bem, que disseram: “Acho que já não temos hipótese.” Aí entrei em estado choque. Só pedia que o salvassem… Depois dei entrada no Hospital de Vila Franca de Xira, fiz alguns exames, e em seguida fui transferido para o Hospital Santos Silva, em Gaia, a minha área de residência. Na viagem fui sempre perguntando como estava o Chico, mas ninguém me dizia nada. Só quando tive alta, por volta das nove da noite de domingo, é que um médico me informou do que tinha acontecido. Disse-me que tinha tido morte imediata após a colisão. Fiquei de novo em estado de choque e deram-me calmantes e sedativos para conseguir descansar.

– O acidente poderá ter sido consequência de excesso de álcool ou de excesso de velocidade?
– Excesso de álcool não foi de certeza. O Chico só bebeu água, eu vi o que ele bebeu. Da velocidade não tenho noção, porque vinha atrás e distraído com o telemóvel.

– As estatísticas dizem que há alguma inconsciência na condução dos jovens…
– Os jovens são mais imprudentes, mas acho que este foi um acidente inocente. Não sei se alguém com 30 anos de condução não teria o mesmo tipo de acidente. E não sei se alguém com carta há um dia não teria conseguido fazer a curva…

– Ainda precisa de sedativos para conseguir dormir?
– Tomo Valium, porque demoro muito tempo a adormecer. E mesmo assim é horrível, porque nesse espaço de tempo revejo as imagens do acidente e, principalmente, a última imagem do Chico… Ver um amigo morrer à minha frente, agarrar na mão dele... não é fácil.

– Com ele morreu também um bocadinho de si?
– Morreu um bocadinho de mim e de muita gente…

– Já consegue aceitar a ideia de que o Francisco morreu?
– Claro que ainda me custa aceitar. Quando ligo a televisão, evito a TVI. Acho que estou a ganhar consciência de que nunca mais irei estar com ele.

– Que recordações guarda dele?
– Tantas... Os olhos azuis e o sorriso dele, a imagem de nós os dois, lado a lado, de boné e argola. Lembro-me do dia em que o conheci e da noite em que olhei para ele e o coração já não batia. Mas, acima de tudo, quero recordar os momentos únicos e felizes que vivemos. Tenho a certeza de que ele também se divertiu, quando estávamos juntos era a grande festa. As fotos que tenho nas paredes do meu quarto vão ficar para sempre e vão ser olhadas com saudade.

– Sente-se revoltado?
– Sim, é muito injusto, aos 22 anos tem-se o futuro pela frente. Uma das coisas que mais quis foi ir ao funeral para lhe dar um último abraço. Quis deixar algumas palavras de carinho ao Chico e terminei com um “adoro-te miúdo”. Foi um adeus que me custou, mas o mais carinhoso que lhe pude dar.

– Acredita que neste momento ele está a olhar por si?
– Acho que sim, porque se fosse ao contrário eu olharia por ele. O nosso Chico vai estar sempre em todo o lado.

Fonte: Caras

Quinta-feira, 20 de Abril de 2006

"Dinheiro Vivo": Uma novela de mistérios

 Dânia foi namorada do modelo e cantor Valentino  saude1.jpg

As gravações em esteriores comelam a 1 de Maio, mas, entretanto a equipa parte dia 22 para a Tailândia...

Há 5 anos, no fatídico 11 de Setembro, várias famílias viram as suas vidas mudar drasticamente quando quatro dos seus entes queridos desapareceram entre os escombros do World Trade Center. A chegada de uma estranha mulher a Portugal trás uma pergunta sem resposta: terão estes 4 homens realmente morrido? Esta é a premissa para a novela Dinheiro Vivo.

Cristina Homem de Melo e Maria João Bastos são duas das mulheres que julgam ter perdido os maridos em Nova Iorque.  A actriz que deu a vida a Helena em Mundo Meu, é agora uma mulher triste mas apostada em vencer a sua perda. A sua filha será interpretada por Joana Solnado, uma menina que encontrou o seu primeiro amor, num homem do qual pouco sabe. Na realidade o rapaz, a cargo de José Fidalgo, é um prostituto de luxo que esconde a sua profissão para não chocar o seu amor. Como apoio este rapaz conta com a personagem de Dânia Neto, uma prostituta de vícios caros, que começou um affair com um homem casado… o marido da vingativa Dalila Carmo.

Ele não a compreende

Margarida Vila-Nova

Margarida Vila Nova, embora uma mulher pérfida e àvida por dinheiro, não deixa de ter coração. O rapaz que o conquistou (Pedro Teixeira) fará de tudo para não a perder, até perceber que ela está mais interessada no seu dinheiro do que na sua paixão. Para ouvir as suas lamurias, o rapaz contará com o apoio do actor francisco Barata, que fará a corte à actriz Ana Guiomar.

Benedita Pereira

Benedita Pereira desvendará o mistério por detrás da morte dos maridos das duas mulheres.

Benedita com novo visual

A Teresa de Ninguém Como TU, vai voltar aos ecrãs em Dinheiro Vivo. Benedita Pereira até já mudou de visual, pintando o cabelo de preto e colocando-lhe extensões. Ela e José Fidalgo, que fizeram par romântico na novela e que sobem ao palco no teatro da trindade, em Lsboa, com a peça "1755 O Grande Terramoto", vão voltar a estar juntos em Dinheiro Vivo.

Fonte: TV Guia

Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

Brevemente em Fala-me de Amor: Clara engravida

No episodio 74, Clara Vilar (Joana Oliveira) descobre que está gravida de Ruca (José Mata). Fragilizada e assustada, a jovem de 16 anos, conta ao ex-namorado. " O bébé é meu. E sou eu quem tem de assumir a responsabilidade." Apesar de também ficar apavorado com a notícia, o rebelde diz que vai assumir o bébé e ajudá-la no que for preciso. "É meu também e temos que resolver isto entre nós", afirma. porém Clara não quer que ele volte para ela. "Tu não vais ficar comigo por causa do bébé..."

A razão é simples: o casal tinha terminado o namoro, antes de se saber da gravidez. Mas, descansem os fãs, as pazes ficam para breve.

Fonte: TV GUIA

"O crime do padre Amaro" em série de TV

A SIC vai exibir nos sábados de 29 de Abril, 6, 13 e 20 de Maio, a partir das 23 horas, a adaptação televisiva de "O crime do padre Amaro". A série que será exibida em quatro episódios baseia-se no filme com o mesmo nome que é actualmente a película portuguesa mais vista da actualidade.

De acordo com declarações anteriores ao JN do realizador Carlos Coelho da Silva, ficarão de fora da série as cenas mais ousadas de sexo entre o "padre Amaro" e a tentadora "Amélia", assim como os momentos mais violentos que têm como cenário a delinquência de um bairro problemático. O telespectador também será confrontado com uma narrativa mais ligeira, com sequências mais divertidas que não são incluídas no filme.

A mais recente adaptação da obra de Eça de Queirós, fruto de uma grandiosa produção, realizada num tempo recorde de sete meses, conta com um vasto elenco de qualidade reconhecido pela generalidade do público. Estreado a 27 de Outubro de 2005 (simultaneamente em 25 salas espalhadas pelo país), em apenas 11 semanas o filme foi visto por 363.633 espectadores e tornou-se no filme português mais visto, destronando "Tentação" que ocupava o lugar cimeiro.

Segundo um comunicado ontem emitido pela estação de Carnaxide, "O crime do padre Amaro" veio reforçar a tendência de que a aposta privada no cinema nacional é cada vez mais uma alternativa no programa cinematográfico em Portugal.

Fonte: JN

Sofia Alves e Celso Cleto fim-de-semana romântico no Algarve

As gravações da novela “Fala-me de Amor” não dão descanso a Sofia Alves, que, sendo uma das protagonistas, está sujeita a uma pesada carga horária. Mas, mesmo assim, a actriz continua a digressão da peça “Socorro, Estou Grávida”, encenada pelo companheiro Celso Cleto. Desta vez, estiveram na Fábrica do Inglês, em Silves.


Sofia e Celso aproveitaram também o facto de estarem numa zona de turismo por excelência durante o fim-de-semana para descansar um pouco do bulício da cidade, namorar e experimentar algumas iguarias locais. Sempre bem-disposto e sorridente, o casal provou que o romance vai de vento em popa e nem as ausências da actriz por motivos profissionais perturbam. Sofia revela o segredo. “Há sempre tempo para a família. Está em primeiro lugar. E tenho a sorte de poder viajar com ela.”

Fonte: TV Mais

Maria Rueff tem novo amor? A actriz troca Zé Pedro Vasconcelos pelo colega Bruno Nogueira

Foram quase cinco anos em comum numa relação que acusou o cansaço e chegou ao fim por mútuo acordo. Sem dramas ou ressentimentos, os actores Maria Rueff e José Pedro Vasconcelos separaram-se há cerca de um mês, seguindo cada um o seu caminho. Parece que a actriz já tem novo namorado e bem conhecido do público! É o também actor Bruno Nogueira, que se torno popular com “Levanta-te e Ri” (SIC) e agora partilha o palco com a actriz na peça “Avalanche”, em cena no Teatro Villaret, Lisboa. Até à hora do fecho desta edição, o actor esteve incontactável.


Por diversas vezes, Rueff e Nogueira foram vistos juntos em vários locais, nomeadamente no restaurante de um hotel lisboeta e na Ericeira, onde o actor comprou uma casa. Depois da peça é mesmo comum jantarem juntos e seguirem para um bar da capital. Não se sabe se esta recente paixão estará na origem do divórcio, mas uma fonte próxima do casal revelou: “Havia algum cansaço no casamento. Já estão separados há várias semanas.


Ela tem andado muito bem-disposta de há uns tempos para cá, tão bem que até se pensou que se tinham reconciliado, já que se sabia que a relação não andava bem. Só depois se soube que, afinal, se tinham separado”.
A tvmais contactou Maria Rueff e José Pedro Vasconcelos e ambos confirmaram: “Sim, estamos separados”. Mais comentários não fizeram, até porque sempre tentaram resguardar ao máximo a sua intimidade.


Em entrevista a esta publicação, no final de Janeiro de 2006, quando a relação já não estava nos seus melhores momentos, José Pedro Vasconcelos confessou: “Para mim, seria uma enorme honra trabalhar com a maior actriz deste país, que é a Maria Rueff”. Adiantou ainda que, em termos de trabalho, eles corriam “em pistas separadas”, ele na TVI, ela na SIC. A admiração era mútua, mas segundo a nossa fonte, de há uns tempos para cá, “não se entendiam muito bem”.
Fonte: TV Mais

Conselho de Irmãs

Joana Duarte e Mariana Monteiro


Joana Duarte e Mariana Monteiro, actrizes conhecidas do público pela sua participação nos Morangos com Açúcar, desempenham o papel de irmãs cúmplices que partilham todos os segredos no mais recente anúncio da Veet - o primeiro a ser gravado em Portugal. O mais bem guardado dos segredos da irmã mais velha, Joana Duarte, prende-se com o primeiro Veet que usou, um segredo que vai partilhar com a irmã mais nova, Mariana Monteiro.

Veet e a JWT desenvolveram o conceito da seguinte forma: 60% das raparigas começam a fazer a depilação antes dos 15 anos, essencialmente pelo embaraço que sentem quando não têm a depilação feita em ocasiões sociais (Estudo Omnibus). As mães/irmãs mais velhas assumem um papel critico uma vez que são estas que vão aconselhar a usar o melhor método de depilação. Por isso, o conceito gira à volta de “O meu primeiro Veet. O segredo que vais querer partilhar.” Veet quer ser a marca eleita de qualquer rapariga no momento da primeira depilação.
Fonte: www.televizoom.com

Merche Romero: Cancela viagem para Cabo Verde

Merche Romero cancelou as suas férias em Cabo Verde, onde estava previsto gozar uma semana de merecido descanso. Em vez disso, a apresentadora optou por continuar no Algarve e, ontem mesmo, fez a escritura da casa que adquiriu, no ano passado, em Albufeira (Algarve).
Merche Romero

A casa que Merche Romero comprou o ano passado em Albufeira, zona algarvia onde se desloca com muita frequência, foi adquirida apenas pela apresentadora, ao contrário do que se disse em algumas publicações ‘cor-de-rosa’. Afinal, o imóvel referido pertence a Merche Romero e não a ela e a Cristiano Ronaldo, seu actual namorado. O CM falou com alguns amigos da apresentadora para tentar saber os motivos que a terão feito repensar a sua viagem a Cabo Verde. Contudo, nenhum deles soube justificar a razão de Merche ter optado por ficar no Algarve.

“Não faço a mínima ideia. Mas acredito que seja devido ao facto de estar a ser muito assediada pelos Media e, dessa forma, se fosse descansar para Cabo Verde não iria ter a privacidade e o sossego que pretendia para recuperar energias”, revelou uma fonte próxima de Merche Romero.

A mesma opinião foi partilhada pela amiga e manequim da Face, Vanessa Dias, que não quis adiantar grandes pormenores sobre a intimidade da apresentadora. “Encontrei-a no 6.º Parágrafo quando fui passar dois dias ao Algarve. Gostei de a rever e achei que ela está bem e muito feliz”, revelou a manequim que, a rir, foi logo esclarecendo: “Mas atenção... ela não está grávida como se diz por aí”.

O CM descobriu, entretanto, que na data em que estava previsto Merche Romero chegar a Cabo Verde (domingo à noite), uma mulher com o mesmo apelido deu entrada no Hotel Belo Horizonte, na ilha do Sal, em Cabo Verde. A hóspede chama-se Vanessa Gomes Romero e ocupa um dos chalés do referido hotel. O CM tentou chegar à fala com a misteriosa ocupante do quarto, o que não foi possível até à hora de fecho desta edição. A verdade é que só o seu apelido já levanta suspeita quanto aos laços familiares desta com a família Romero. Afinal pode não ter sido uma viagem perdida

Fonte: Correio da Manhã

Milhares de fãs no último adeus

Viveram-se momentos de grande tensão quando a urna que transportava o corpo de Francisco entrou no pequeno cemitério de Runa. A cerimónia era reservada a familiares e amigos, mas o povo da freguesia de Torres Vedras e os muitos jovens, que de vários pontos do País marcaram presença no adeus a ‘Dino’, tentaram forçar a entrada.

Uma verdadeira loucura, que poderia ter terminado em tragédia, tal a pressão de encontro ao portão entreaberto.

Os seguranças e a GNR lá iam afastando os fãs do actor como podiam, mas a tarefa não foi fácil. Só respiraram de alívio quando as grades se fecharam. José Eduardo Moniz, director-geral da TVI, foi um dos alvos da ira de alguns populares quando abandonou o recinto: “É bom que a TVI mostre ao País esta discriminação.” “O Francisco é nosso”. “Isto é uma vergonha. Por que é que não está ninguém de Runa lá dentro?”, ouviu-se entre os populares. José Eduardo Moniz lá foi dizendo que não tinha nada a ver com o que se estava a passar, mas os protestos não pararam. Pouco depois do corpo do jovem descer à terra, imperou o bom senso e os populares, que assistiram à cerimónia como podiam – ora saltando para cima do muro do cemitério, ora ocupando uma encosta fronteira –, lá tiveram autorização para, de forma ordeira, se despedirem de Francisco.

A romaria a Runa começou cedo. Ao longo da estrada de acesso à localidade milhares de jovens, com os livros debaixo dos braços, serpenteavam por entre uma imensa fila de carros em direcção ao centro da freguesia. Muitos foram de comboio, outros de camioneta. Outros, os mais velhinhos, em viatura própria, acompanhados por colegas de turma. Havia gente de Norte a Sul do País. A maioria faltou às aulas. Alguns confessaram que não disseram nada aos pais e que iam pensar numa desculpa quando chegassem a casa.

Uma hora antes da Missa de Corpo Presente, celebrada pelo padre Silva, pároco de Runa, já não cabia ninguém na Igreja de São João Baptista.

O adro também depressa se encheu, bem como toda a zona circundante. A própria estrada que atravessa a vila acabou por ser cortada ao trânsito. A missa, onde o sacerdote pediu “paz eterna para o Francisco”, durou cerca de uma hora e terminou com uma imensa salva de palmas dos presentes, que se estendeu a quem aguardava a urna da parte de fora do templo.

O cortejo fúnebre arrancou por volta das cinco da tarde, em direcção ao cemitério de Runa. Um mar de gente seguiu atrás dos três carros funerários – dois transportavam coroas e ramos de flores, o último a urna do actor de ‘Morangos com Açúcar’. Uns rezavam, outros, comovidos, caminhavam em silêncio, de lágrimas nos olhos.

Todo o elenco da série ‘Morangos com Açúcar’ esteve presente, integrando o cortejo. Os fãs mais novos exibiam posters de ‘Dino’. Quase todos levavam flores, ramos de rosas ou margaridas.

A encosta fronteira ao cemitério já estava apinhada de gente quando os carros funerários entraram. Com eles, familiares e amigos.

A cerimónia foi breve, mas sentida. A urna desceu à terra, repetindo-se o aplauso que marcou o início do enterro, mas agora com mais força.

Desfeitos em lágrimas, familiares e amigos de Francisco foram abandonando o cemitério, à medida que a multidão aguardava, ordeiramente, a sua vez para o último adeus ao ‘Dino’, que encontrou a morte na Estrada Nacional 118, em Alcochete, na madrugada de domingo, ao volante da sua viatura.

'HELI' GERA IRRITAÇÃO

O cortejo fúnebre entre a igreja e o cemitério de Runa ficou marcado pelo ruído ensurdecedor do helicóptero da TVI, que irritou muitos dos presentes que seguiam, em oração, atrás dos carros funerários. Felizmente, talvez por ordem de alguém, o helicóptero abandonou o céu de Runa quando o cortejo chegou ao cemitério, devolvendo a tranquilidade que todos pediam. O ‘heli’ foi um dois meios utilizados pela TVI para a cobertura do acontecimento, em directo. Às imagens aéreas juntaram-se as de oito câmaras: duas no interior da igreja e as restantes distribuídas pelos locais por onde passou o cortejo até chegar ao cemitério, local vedado à recolha de imagens, conforme estabelecera a junta de freguesia.

AS AUDIÊNCIAS DA TVI

ww A edição nocturna de ‘Morangos com Açúcar III’, emitida às 21h11, foi anteontem o programa mais visto nas televisões generalistas, com mais de 1,7 milhões de espectadores. À tarde, a novela juvenil captou as atenções de 1,2 milhões de espectadores, o que lhe garantiu o quarto lugar do ‘ranking’. Os espaços noticiosos da TVI que incluíram várias peças relativas à morte do actor Francisco Adam também estiveram em destaque, posicionando-se entre os seis primeiros lugares da tabela. O ‘Jornal Nacional’ e o ‘Jornal da Uma’ foram seguidos, respectivamente, por 1,5 e 0,9 milhões de pessoas.

HÁ QUEM GANHE 2000 EUROS/MÊS

Os ordenados dos actores que participam na novela juvenil da TVI oscilam entre os 1000 e os 2000 euros por mês. Há, de acordo com as nossas fontes, uma disparidade nos vencimentos, podendo adiantar-se que os valores médios oscilam entre os 1000 e os 1750 euros. Tais valores referem-se, tão-só, aos actores que trabalham regularmente no formato. São muito poucos aqueles que atingem o topo da tabela, ou seja, os 2000 euros. Ainda segundo as nossas fontes, eram esses os montantes que se praticavam na anterior série, não sendo previsível que na actual, a terceira, tenham ocorrido aumentos. Os jovens com participações especiais em ‘Morangos com Açúcar’, esses, recebem outro tipo de retribuição, isto é, em função do número de vezes que são chamados a colaborar. Por outro lado, apurou o CM, os responsáveis pelos textos da telenovela, os guionistas da Casa da Criação, auferem um ordenado mensal que rondará os dois mil euros.

'CONTINUAS A SER O NOSSO IRMÃO'

Filipe Viegas, de 21 anos, ia no carro com Francisco Adam quando o trágico acidente ocorreu. Ontem, após o final da missa, ainda dentro da igreja, leu uma pequena declaração: “Bom dia a todos, especialmente aos familiares e amigos mais próximos do nosso querido amigo Francisco. É difícil esquecer a imagem dele dentro do carro, mas aqui, perante todos, digo que tudo fiz para o salvar. O que resta, agora, é lembrar os momentos alegres que passámos com ele, aquele sorriso, aqueles olhos azuis sempre a brilhar, aquelas palavras que ele sempre me soube dizer. Continuas a ser o nosso irmão e vamos estar sempre contigo. Adoro-te, miúdo!”

MOMENTO

A saída da urna da igreja para o cemitério, acompanhada de palmas, constituiu o primeiro momento de grande emoção na tarde de ontem. Muitos colocaram flores na urna, outros tudo fizeram para lhe tocar.

CORTEJO

Milhares de pes-soas percorreram o trajecto entre a Igreja de São João Baptista e o cemitério de Runa, no último adeus a Francisco. Uma caminhada lenta, cumprida em silêncio, debaixo de um sol acolhedor.

CONFUSÃO

A entrada no pequeno cemitério de Runa foi um caos. De tal forma que nem todos os colegas do actor conseguiram entrar. José Eduardo Moniz conseguiu atravessar o portão. À saída ouviu protestos.

APONTAMENTOS

CAFÉ O ROQUE

O Café-Restaurante - O Roque, situado em frente à Igreja de Runa, foi o local escolhido por todos aqueles que não conseguiram entrar no templo para assistir à Missa de Corpo Presente. Com a televisão ligada, os fãs de Francisco Adam, que matavam a sede com água e refrigerantes, puderam acompanhar as cerimónias até ao fim, abandonando o café quando a urna saiu para o adro.

INCÓMODO

O mediatismo dado à cerimónia – grande número de câmaras, repórteres fotográficos e jornalistas presentes – incomodou alguns familiares e amigos, sobretudo actores da série juvenil da TVI, ‘Morangos com Açúcar’. Se, por um lado, compreendem a atenção dada ao acontecimento, por outro preferiam uma enterro mais discreto e tranquilo.

‘LEÃO’ ENTUSIASTA

Francisco Adam era um ‘leão’ entusiasta, como confessou ao CM Maurício do Vale, das relações públicas do Sporting. O malogrado actor, recorde-se, participou em algumas iniciativas ‘leoninas’, nomeadamente no ‘videoclip’ alusivo ao Centenário. Por essa razão, o clube também se associou às homenagens a ‘Dino’, fazendo-se representar no velório por Maurício do Vale e Nélson, guarda- -redes da equipa profissional de futebol, ‘verde-e-branca’. Ao funeral associaram-se o responsável das relações públicas e Ernesto Ferreira Silva, presidente do Conselho Fiscal do clube e do Centenário.

Fonte: Correio da Manhã

Terça-feira, 18 de Abril de 2006

Paulo Pires tem um novo projecto em Espanha

Ellas... y el sexo débil

Paulo Pires espanha

Depois de ter participado como um dos protagonistas na série "Fuera de Control" para a TVE, Paulo Pires abraça novo projecto em Espanha para o canal Antena3: "Ellas... y el sexo débil". A série, com início de filmagens no final de Abril é produzida pela produtora BocaBoca, e tem a participação de quatro actrizes espanholas: Ana Obregón, Teté Delgado, Beatriz Rico e Isabel Gaudi. As actrizes representam um grupo de amigas atraiçoadas pelos seus parceiros, e que a partir daí empreendem um novo rumo para as suas vidas.
Noticia::

O luto difícil por um ídolo presente

"Ó mãe! Então tu disseste que o Dino morreu e ele está nos Morangos com açúcar e até está alegre?!" Maria entrou há pouco mais de um mês nas estatísticas da televisão. Aos quatro anos, faz parte do grupo de portugueses que mais consome a telenovela juvenil da TVI. E anteontem, quando teve de confrontar a verdade com a ficção, perdeu-se. Não percebeu que quem morreu num cruzamento do Ribatejo foi um jovem que os pais baptizaram de Francisco. Talvez porque a mãe lhe deu a notícia anunciando o destino de Dino?

Para lá do drama, o desaparecimento do jovem actor Francisco Adam levanta a sempiterna questão da relação dos mais novos com a televisão. E a série de testemunhos que ao longo dos dois últimos dias tem alimentado fóruns e blogues na Internet é mais do que esclarecedora nem todos fazem a diferença entre o que se passa de cada um dos lados do ecrã. Imitam-se as formas de falar, vestir e pentear e, agora, chora-se como por um familiar perdido. A destrinça, aqui, cabe aos pais.

"Têm que explicar bem, com a realidade", aconselha Sara Pereira, docente de Educação para os Media no Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho. Aos filhos de seis e nove anos, teve de tentar encontrar respostas para a realidade, de onde vinha Francisco, quando foi o acidente, como. Mas a investigadora - que se debruça agora num trabalho sobre o fenómeno "Morangos com açúcar" - sabe que os seus miúdos não são o exemplo. "O filho de cinco anos de um amigo meu reagiu ao acidente dizendo que não fazia mal, porque o Dino andava sempre pegado com outra personagem da série".

De quem será a culpa ?

A confusão com a realidade é tanto maior quanto menor for a idade. Os quatro anos de Maria puseram-na a matutar sobre o como da morte do actor. Encontrou a resposta no episódio de domingo à noite Dino participava numa garraiada. "Se calhar foi o touro que o matou".

"Essa confusão é preocupante, admite Sara Pereira, cuja investigação lhe permitiu já concluir que a larga maioria dos telespectadores dos Morangos com açúcar não sabe dizer concretamente por que gosta da telenovela. Tal como muitos confundem planos e "envolvem-se com personagens como se fossem da vida real". Poucos são os que conseguem detectar incoerências no ecrã, como um filho de pobre com roupas de marca ou um patrocínio escancarado. Mas esses são talvez a prova de que "o acompanhamento" existe e funciona. Como para o filho mais novo de Sara Pereira, seis anos, incapaz de acreditar que o acidente possa ser culpa do actor. "Acha que ele não pode ter cometido um erro" de condução.

Para os restantes fãs, os que se perdem nos planos, o fim-de-semana da Páscoa foi triste e confuso. Joana Duarte deixou no site do Correio da Manhã um desabafo pungente para uma miúda de 13 anos. "Faleceu o meu ídolo, a minha referência, a minha razão de mil sorrisos às 19 horas dos dias úteis".

"A identificação é forte, até porque era uma figura que aparecia no enredo com uma carga positiva, apelativa", analisa Manuel Pinto, docente de Jornalismo e Educação para os Media na Universidade do Minho. Uma relação afectiva mais forte entre as raparigas, como o provam as manifestações de pesar.

O luto, para este investigador, deveria ser conduzido pelo próprio canal. Com um programa especial, por que não, "uma vez que a série não vai ser interrompida e há episódios com o jovem actor". Um trabalho paralelo que ajudasse os espectadores mais pequenos a "digerir" a verdade, em vez de transformar o drama em "media event".

O certo é que apesar de a faixa dos 4 aos 14 anos ser a que mais vê a série (21,8% da audiência), a morte de Francisco Adam afectará mais os adolescentes (19,4% das audiências, segundo a Marktest), "porque há uma proximidade muito maior na idade", completa Sara Pereira. No final de tudo isto, que o desaparecimento aos 22 anos, numa estrada carregada de pontos negros, "sirva de reflexão". Porque 21% dos mortos em acidentes rodoviários no ano passado tinham entre 20 e 29 anos.


Actores são a prioridade

A preocupação com os jovens que integram o elenco e a sua preparação para os próximos dias "que não vão ser fáceis" , levou que ontem os actores estivessem reunidos com a produção uma equipa de peritos, "para tentar perceber como estão a reagir", conforme adiantou ao JN o porta-voz da TVI, Monteiro Coelho. A prioridade da estação e da NBP vai para os colegas do actor, bem como para os familiares que "não estão preparados para o impacto dos média". Relativamente ao futuro da novela e ao desfecho do personagem "Dino", este só será debatido dentro de dois ou três dias numa reunião entre a TVI, a NBP e a Casa da Criação. Os episódios são gravados com uma antecedência de 15 dias, o que vai permitir decidir a orientação do guião atempadamente.

Noticia::

Hoje ocorreu o velório de Francisco Adam

O corpo de Francisco Adam, jovem actor que morreu na madrugada de domingo na sequência de um acidente de viação, foi esta tarde sepultado no cemitério da vila de Runa, concelho de Torres Vedras.

Centenas de pessoas não quiseram deixar de prestar uma última homenagem ao actor que interpretava o papel de «Dino» na telenovela «Morangos com Açúcar».

As cerimónias fúnebres começaram às 15:30 horas, com a Missa de Corpo Presente na Igreja Paroquial de Runa. Dentro e fora da igreja, familiares, amigos, colegas de elenco e fãs acompanharam emocionados a Missa de Corpo Presente. Jovens e crianças vieram de todo o país e trouxeram fotografias e flores.

Ao sair da igreja, a urna com o corpo do actor foi saudada com uma salva de palmas. O cortejo fúnebre dirigiu-se ao cemitério, que fica a apenas 500 metros de distância.

Atrás dos três carros funerários, dois deles só com flores, seguiam centenas de pessoas que, em silêncio, disseram o último adeus a «Dino».

Francisco Adam era adepto do Sporting, tendo participado na gravação do Hino do Centenário. O actor esteve também a assinar autógrafos no Circo do Sporting.

Créditos: Sporting / Portugal Diário

Noticia::

Amigos choram Dino

A freguesia de Runa, no concelho de Torres Vedras, acompanhou ontem a dor e o sofrimento dos familiares e amigos de Francisco Adam. Centenas de pessoas, a maioria crianças e adolescentes, foram à igreja local despedir-se do ‘Dino’, o actor de Morangos com Açúcar’ que perdeu a vida num acidente em Alcochete. O director-geral da TVI, José Eduardo Moniz, também esteve presente no velório, assim como todo o elenco da série juvenil e os familiares do jovem actor. Foram poucos os que conseguiram suster as lágrimas.

Pedro Adam, irmão de Francisco, conforta a mãe, Rosália, à entrada da Igreja

A igreja está cheia, mas ouve-se o silêncio. Em fila indiana, dezenas de pessoas aguardam a vez para chegar perto do caixão, colocado diante do altar. São jovens na sua grande maioria e lá também estão muitas crianças. Vão de mão dada com a mãe, outros com a avó.

Os mais velhos formam pequenos grupos, porque é mais fácil chegar à urna acompanhado. Atenua a dor, ‘esconde’ o sofrimento. Há quem reze em surdina, dedos entrelaçados e olhos presos no enorme crucifixo colocado na parede, à esquerda do pequeno altar coberto com uma toalha branca. Do lado oposto, um fresco retrata o baptismo de Jesus Cristo. Numa outra parede, não muito distante, as fotos dos beatos de Francisco e Jacinta Marto.

Francisco Adam está como todos o conheceram, no papel de ‘Dino’, na série ‘Morangos com Açúcar’: de blusão fechado, até ao queixo, em tom verde-marinho, e boné amarelo de pala azul. Por cima do corpo, um manto de renda branco.

São 17h30. Há uma hora que é assim, na Igreja de Runa, freguesia de Torres Vedras: um vaivem constante de familiares, amigos e povo anónimo que vem despedir-se do ‘Dino’, o jovem, de 22 anos, que encontrou a morte, na Estrada Nacional 118, em Alcochete, quando o carro que conduzia se despistou. A GNR montou um pequeno dispositivo para evitar o congestionamento do trânsito, medidas que serão reforçadas hoje.

A reacção diante da urna, ladeada por duas enormes velas, é em tudo semelhante e pode sintetizar-se nas palavras de Margarida, de nove anos, fã de ‘Morangos com Açúcar, para uma colega de turma: “É ele. É o ‘Dino’ Parece que está a dormir”.

Margarida segura um pequeno poster do seu actor preferido da série juvenil da TVI, devidamente aconchegado no interior de uma capa de plástico. No verso, outras fotos de personagens dos ‘Morangos’, em tamanho mais reduzido. A tentação de tocar no corpo é grande, mas a presença de dois segurança, por vezes três, recuam o braço instintivamente.

O pior vem depois do último olhar, no caminhar lento para a porta de saída. As lágrimas, reprimidas pelo morder dos lábios soltam-se pelo rosto. Miúdos e graúdos não resistem ao choro. Alguns apressam mesmo o passo, tal o aperto no peito. Outros, assinam o livro de condolências e retiram um pequeno cartão com a fotografia de Francisco Adam e um trecho do ‘Prefácio dos Defuntos I’: “Se a certeza da morte nos entristece, conforta-nos a promessa da imortalidade. Para os que crêem em Vós, Senhor, a vida não acaba, apenas se transforma”.

A emoção é grande. Nem todos conseguem chegar perto da urna. Nem todos conseguem, sequer, entrar na igreja. “Conheci-o quando andava por aqui. A casa onde morava fica ali em baixo, no prédio dos correios. Depois foi embora, há algum tempo que não o via. Só na televisão. Tenho muita pena dele. Um rapaz tão jovem, tão bem posto. Era um bom rapaz, de uma boa família. Mas não consigo ir lá dentro, não consigo vê-lo assim”, confessa António Sousa, de 88 anos.

Está no adro da igreja desde as três da tarde. Ele e quase toda a pequena população de Runa. Vieram despedir-se de um filho da terra e ver de perto os jovens actores de ‘Morangos com Açúcar’. “Já é como se fossem da família. Entram-nos todos os dias em casa.

São uma boa companhia”, acrescenta António Sousa.

Vieram todos, entre as cinco e meia e as seis, pouco depois do director-geral da TVI, José Eduardo Moniz, Sara Prata, Helena Costa, Inês Castel-Branco, Miguel Bugalho, Paulo Rocha, Vítor Fonseca, Diogo Valsassina, Luís Gaspar e todos os outros. Apareceram como no pequeno ecrã: roupa desportiva, penteados irreverentes. Trocam lágrimas e gemidos de dor.

Joana Duarte, a ‘Matilde Gouveia’ era a mais inconsolável. De mão na boca, olhou para o caixão. Hesitou. Sentou-se um pouco, para se recompor, levantou-se e encostou-se à parede. Depois avançou, lentamente. Parecia carregar consigo a dor de todo o elenco. A igreja ‘seguiu-a’.

Já próximo do corpo de Francisco Adam, voltou a hesitar, até que arranjou coragem para seguir em frente. Pôs as mãos na cara e mexeu os lábios. Parecia não querer acreditar no que estava a ver. Chorou, chorou, chorou. Voltou a sentar-se num banco, junto de outros fiéis. Confortada pelos colegas da série, também eles a precisar de conforto, permaneceu perto de uma hora na igreja. Ainda voltou para junto do caixão, antes de abandonar a igreja, amparada por uma outra actriz.

Nessa altura, já José Eduardo Moniz saíra de Runa. Tal como os familiares e amigos de Francisco Adam, não falou aos muitos jornalistas presentes no local. Todos souberam respeitar o momento. Os miúdos presentes, que noutras ocasiões não hesitariam em falar com os seus ídolos, em pedir um autógrafo, mantiveram-se distantes, comentando, apenas, olha ‘este’ e olha ‘aquele’, mas de uma forma muito discreta, quase imperceptível.

Exemplo de coragem, o irmão e a mãe de Francisco Adam, confortando todos os que se lhes dirigiam.

Com o fim da tarde, o movimento cresceu. A Igreja de Runa encheu-se por completo, obrigando a segurança a trabalhos redobrados, orientando a entrada e saída. Mas tudo decorreu sem problemas.

"DANÇOU ANTES DE IR PARA CASA"

Francisco Adam, o ‘Dino’ da série da TVI ‘Morangos com Açúcar’, divertiu-se “imenso e fartou-se de dançar” nas últimas horas de vida, passadas na discoteca Clube In Campo, em Coruche, onde esteve numa sessão de autógrafos com mais de 900 fãs de todas as idades.

“Depois da sessão, ficou na discoteca mais alguns minutos, pediu ao Dj a música ‘Elektro’, dos Outwork, e esteve a dançar antes de partir para casa”, lembrou António Serrão, relações públicas do estabelecimento. Francisco Adam chegou ao Clube com o primo Osvaldo e o amigo Filipe Viegas, passavam poucos minutos da meia-noite de domingo. Durante três horas e meia deu autógrafos e tirou fotografias. “Bebeu duas ou três águas e esteve sempre muito bem-disposto”, disse.

O PROFESSOR DE TEATRO

Breno Moroni era amigo, professor e colega de Francisco Adam. Conheceu-o há três anos, quando o jovem actor participou num curso de teatro, ministrado pelo próprio em Lisboa. Actualmente, contracenavam juntos na peça ‘Les Garçons’, que estava em palco em Ponte de Lima e que, em breve, iria percorrer os principais teatros do País, do Brasil e de alguns países africanos de língua oficial portuguesa.

Mas a peça, que estreou no passado dia 2, só subiu duas vezes ao palco do Teatro Diogo Bernardes: na estreia e no domingo, dia 9. “Na altura em que o conheci, era um desconhecido. Mas ele sempre quis fazer teatro, porque vivia com grande paixão e seriedade esta coisa de ser actor”, revela Moroni. “Agora, a peça acabou”, diz, comovido, sublinhando que “ela está aí para alguém que, um dia, a queira pôr em cena”.

FÁTIMA LOPES INDIGNADA COM TVI

Fátima Lopes não escondeu a sua indignação por a TVI ter cobrado as imagens do actor transmitidas no ‘Jornal da Noite’ (SIC), de Domingo de Páscoa, e na rubrica ‘Tertúlia Cor-de-Rosa’ de ‘Fátima’ . “Sendo um tema tão delicado como a morte de uma pessoa não me passa pela cabeça que envolva dinheiro. A SIC teve de pagar à TVI pelas imagens cedidas”, disse a apresentadora.

DETALHES

GRAVAÇÕES

Os actores de ‘Morangos com Açúcar’ foram dispensados ontem e hoje das gravações para acompanharem o velório e o funeral de Francisco Adam. Os actores estão a ser acompanhados por uma psicóloga.

CONDOLÊNCIAS

Mensagens de condolência chegaram à NBP e à TVI através de ‘e-mail’, fax e telefone. Por sms circulou uma mensagem com o pedido de difusão “para ser a mais lida”. “O Francisco Adam merece”, lia-se.

AUDIÊNCIAS

O último episódio da série especial de Páscoa de ‘Morangos com Açúcar’ foi o programa mais visto de anteontem. Mais de 1,7 milhões de espectadores acompanharam o episódio ensombrado pelo falecimento do actor Francisco Adam.

EPISÓDIOS

Existem entre 15 a 20 episódios gravados com o ‘Dino’, que segundo a TVI, vão ser exibidos. A Casa da Criação, responsável pelos guiões da novela, ainda não sabe como pôr fim ao personagem interpretado pelo jovem actor. “Ainda é muito cedo para isso”, disse Inês Gomes.

Carolina Patrocinio


NAMORADA NÃO ESCONDEU A DOR

Carolina Patrocínio, a namorada secreta de Francisco Adam, era ontem a imagem da desolação.

A apresentadora do ‘Clube Disney’, da SIC, de cabelo apanhado e vestindo calças de ganga escuras com casaco preto, estava lavada em lágrimas. Apoiada pelos amigos, que não a deixaram um único segundo sozinha, esforçava-se por cumprimentar os colegas que mais de perto privavam com o casal de namorados à medida que iam chegando. Estes, apesar da boa vontade, não a conseguiam consolar e evitar que, de um momento para o outro, as lágrimas lhe cobrissem a face.

Ao longo da tarde, a maior preocupação de Carolina foi fugir às objectivas dos fotógrafos. Sempre que se sentia ‘observada’ refugiava-se na capela, junto à família do namorado, ou rodeada por amigos, como uma espécie de escudo.

"ALÉM DE COLEGA ERA AMIGO"
 Sara Chaves


“A Diana está inconsolável com a morte do amigo”, revelou Sara Chaves, irmã da intérprete de ‘Susana’ na novela juvenil ‘Morangos com Açúcar’. Mas apesar do sofrimento, a actriz esteve ontem presente no velório e não quer faltar, hoje, ao funeral de Francisco Adam. “Ela, como todos os outros, está a reunir coragem para ir”, adianta Sara.

“Ainda é tudo muito recente e a Diana não quer falar com ninguém sobre o assunto. O Francisco, além de colega, era amigo e é normal que a minha irmã e os outros sofram com a sua perda e estejam tristes”, acrescenta.

“Apesar de tudo, a Diana está bem e a tentar seguir em frente. Mas está muito triste. Foi tudo muito de repente e muito violento... É normal que esteja muito em baixo e não fale com ninguém”, concluiu.

ACIDENTE SOB INVESTIGAÇÃO

O Núcleo de Investigação Criminal da Brigada de Trânsito (BT) no Carregado, da Guarda Nacional Republicana, já deu início às investigações sobre o acidente que vitimou o actor Francisco Adam.

Ontem, o cadáver do malogrado jovem actor foi autopsiado no Instituto de Medicina Legal de Lisboa.

Segundo fonte da BT, além do auto de notícia foi feita, no local do sinistro, a recolha pericial dos vestígios do acidente.

Estes são os primeiros passos de uma investigação que se prolongará por algum tempo e que contempla, também, a elaboração do relatório técnico do acidente.

“A BT ainda não recebeu o despacho do delegado do Ministério Público do Tribunal de Benavente, em cuja comarca decorreu o acidente, a fim de iniciar o processo de inquérito. Há uma delegação genérica de competências nas forças de segurança, pelo que iniciámos determinadas diligências, mas neste momento ainda não há uma data de encerramento de inquérito”, disse ao nosso jornal, ontem a meio da tarde, uma fonte da Brigada de Trânsito da GNR.

CRUZAMENTO PERIGOSO

O acidente ocorreu pelas 03h50 de domingo passado, no cruzamento entre as estradas nacionais 119 e 118, perto do Campo de Tiro de Alcochete, local considerado muito perigoso.

Pelos vestígios tudo indicia que Francisco Adam, de 22 anos, que conduzia o veículo e tinha carta de condução há pouco tempo, terá perdido o controlo deste e a viatura, depois de embater nos separadores da EN118, foi projectada com violência contra uns eucaliptos, batendo com o tejadilho. Registaram-se ainda dois feridos.

Testemunhas que estiveram na sessão de autógrafos do jovem actor num bar de Coruche garantem que ele apenas tinha bebido água.

PAIS DEVEM SER RIGOROSOS

ELUCIDAR CRIANÇAS SOBRE A MORTE DOA ACTOR

Os pais dos fãs mais novos de ‘Morangos com Açúcar’ devem esperar que estes se manifestem para, então, contar, de forma rigorosa, como Francisco Adam faleceu. Mas o mais importante é fazer uma clara distinção entre ficção e realidade.

Muitos pais têm-se deparado com dificuldades para explicar aos filhos o sucedido com Francisco Adam. Maria José Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, explicou ao Portugal Diário que “os pais não devem antecipar-se às dúvidas dos jovens, mas esperar que sejam estes a perguntar”. Quando esse momento chegar, a pedopsiquiatra acha que os pais devem “explicar o que aconteceu”. E é essencial que as crianças “separem a realidade da ficção e que percebam que não morreu ninguém de família”.

Maria José Gonçalves acredita que, findo este período de choque, o caso pode servir um fim educativo, transformando-se num “paradigma às centenas de milhares de jovens que todos os anos morrem nas estradas”.

FUNERAL DO ACTOR REALIZA-SE HOJE

O funeral do ‘Dino’ de ‘Morangos com Açúcar’ realiza-se hoje, pelas 16h00, no cemitério da vila de Runa, concelho de Torres Vedras. As cerimónias fúnebres iniciam-se pelas 15h30, com a Missa de Corpo Presente na Igreja Paroquial de Runa. O percurso a efectuar pelo cortejo fúnebre será curto. Cerca de 500 metros separam a igreja da última morada do actor Francisco Adam. No interior do cemitério está proibida a recolha de imagens.

Pedro Adam, irmão de Francisco, conforta a mãe, Rosália, à entrada da Igreja

Segunda-feira, 17 de Abril de 2006

Velório de Francisco Adam em Torres Vedras

Francisco Adam, 1983 - 2006 (Foto cedida pela Elite Portugal)Corpo estará em câmara ardente na Igreja de Runa, a partir das 15 e 30 horas

O corpo de Francisco Adam foi autopsiado esta manhã e deverá estar em câmara ardente a partir das 15 e 30 horas na Igreja de Runa, uma localidade perto de Torres Vedras.

Recorde-se que o actor da série «Morangos com Açúcar» Francisco Adam, de 22 anos, morreu na madrugada de domingo na sequência de um acidente de carro na Estrada Nacional 118, em Alcochete. O despiste causou também dois feridos graves.

O actor interpretava, há mais de um ano, o papel de «Dino» na série transmitida pela TVI depois de ter sido modelo e de dar a cara por várias campanhas publicitárias durante cerca de quatro anos.
Fonte: Portugal Diário

Morangos: actores com ajuda psicológica

A morte de Francisco Adam, um dos actores da novela Morangos com Açúcar, levou a direcção de actores da série a aumentar a frequência do acompanhamento psicológico dos elementos do elenco.

A garantia foi dada no Jornal Nacional da TVI pela actriz Maria Henrique, responsável pela direcção de actores da telenovela. O acompanhamento psicológico vai ser «o mais presente possível», referiu a actriz.

Além de Francisco Adam, o Dino da novela, outras duas pessoas seguiam no carro que se despistou. Um homem de 30 anos e outro jovem de 21 anos ficaram gravemente feridos.

O actor morreu num acidente na última madrugada, em Alcochete. As causas do desastre estão a ser investigadas pela GNR.

Fonte: Portugal Diário

Ainda estamos em estado de choque

Ainda estamos em estado de choque com a notícia que recebemos esta manhã”, disse José Eduardo Moniz ao ‘CM’ ontem ao princípio da tarde. O director-geral da TVI confessa que a “principal preocupação” da estação passa por “confortar a família do Francisco e ajudá-la em tudo o que for necessário, lado a lado com a garantia de apoiar os colegas dos ‘Morangos’, pois, para eles, também não será fácil ultrapassar este momento.”
José Eduardo Moniz

A TVI colocou-se, segundo as palavras de Moniz, “ao dispor da família do Francisco, tendo sido dadas as devidas instruções para ajudar naquilo que pedirem. Tudo o que estiver ao nosso alcance será feito para corresponder à vontade da família.”

O futuro de ‘Morangos com Açúcar’, para já, não é uma preocupação. “Vamos parar um bocado para pensar no que fazer. Os autores debruçar-se-ão sobre o assunto e encontrarão a melhor solução para a continuidade da novela”, refere Moniz.

O responsável máximo da TVI recorda que “os ‘Morangos’ sempre se caracterizaram por ser um produto com uma enorme vitalidade interna. Estou certo que, tanto produtores, como actores, tudo farão no sentido de constituir uma homenagem a um actor que tinha um grande futuro à sua frente.”

Moniz considera que Francisco Adam “estava na primeira fila dos eleitos da nova geração da actuação em Portugal.” Nesse sentido, “a melhor homenagem que podemos fazer é mostrar o trabalho que desenvolvia com grande entusiasmo e energia.”

REACÇÕES

CARLOS AREIA - ACTOR

“Fiquei muito chocado com a notícia porque ele estreou-se na novela comigo. Lembro-me da timidez inicial dele e de todo o desenvolver das suas capacidades. Isto é tudo tão estúpido!”

PAULO VINTÉM - ACTOR E CANTOR

“O Francisco era tal e qual o ‘Dino’: sempre bem-disposto e muito brincalhão. Falei com ele por volta da meia-noite e ele estava bem. Ainda estou muito abalado com a notícia.”

MARIA HENRIQUE - DIR. DE ACTORES

“O Francisco era a alegria da novela e a alegria em estúdio. Penso que a música que acompanhava a sua personagem, ‘A Vida Faz-me Bem’ dos Anjos, se adequa perfeitamente a ele.”

SOFRIMENTO EM SILÊNCIO

A maioria dos actores que integram o elenco de ‘Morangos com Açúcar’ optou por manter o silêncio perante o trágico destino de Francisco. Ainda assim, foi possível perceber o estado de espírito dos colegas. Dânia Neto era a mais emocionada, mas foi na voz de Inês Castel-Branco que mais se sentiu a raiva por ver um colega morrer ainda novo.

'SITES' COM MENSAGENS

Assim que a notícia da morte de Francisco Adam se tornou pública, vários ‘sites’ relacionados com a novela e com o actor foram inundados com fotografias do intérprete de ‘Dino’ e com sentidas mensagens de condolências de muitos dos seus fãs.

Santa Cruz - Pedro Adam, irmão de Francisco, emocionado

"Acordámos com a notícia.” Estas foram as primeiras palavras do irmão de Francisco Adam, ontem à tarde contactado pelo CM. Pedro estava visivelmente transtornado com a tragédia que se abateu sobre a família.
‘Susana’ e ‘Dino’ iam formar um par romântico da edição de Verão dos ‘Morangos com Açúcar’Susana’ e ‘Dino’ iam formar um par romântico da edição de Verão dos ‘Morangos com Açúcar’

Consternado, limitou-se a um breve comentário: “Toda a gente já sabe como se passou, mas ainda é muito cedo para falarmos, desculpem.”

O jovem dirigia-se para o Café Os Piscos, junto à residência da família, em Santa Cruz, Torres Vedras. No café, Rui Pisco, filho da proprietária, Emília, relembra o amigo e actor, uma presença habitual no seu estabelecimento, mas também o seu antigo colega de escola: “Andou comigo na Escola Henriques Nogueira, em Torres Vedras, no 11.º ano. Continuávamos amigos, apesar de já não nos vermos tantas vezes quanto gostaríamos.”

Por respeito aos familiares de Francisco, que, então, entravam no café, Rui Pisco desculpou-se e deu por terminada a conversa.

Atarefado com as gravações da novela juvenil ‘Morangos com Açúcar’, Francisco Adam era visto com menos frequência pelos amigos de Santa Cruz. Mas voltava sempre, nem que fosse para visitas rápidas à terra que o viu crescer.

Paula Narciso, empregada do Bar Onda do Mar, na praia do Pisão, recorda com emoção a última vez que o viu: “Foi na quinta-feira passada. Agora, com isto da televisão, ele aparecia menos, mas continuava a ser uma pessoa muito querida aqui na zona.”

O futuro promissor que esperava o jovem actor torna ainda mais difícil aceitar a sua recente partida. “Nós até tínhamos aqui uns panfletos de uma peça de teatro, na qual participava, em Ponte de Lima. E a carreira dele na televisão também ia muito bem”, afirma Paula Narciso, emocionada.

Mituxa, a proprietária do Bar Onda do Mar, demora algum tempo a recompor-se de forma a conseguir dizer algo: “Conhecia-o desde pequeno. Costumava vir aqui muitas vezes e só consigo dizer que ele era fantástico, um amor de pessoa.”

Na pequena aldeia turística do concelho de Torres Vedras, a consternação é geral. Os vizinhos, que preferem ficar no anonimato, não escondem a tristeza por verem um jovem da terra desaparecer de forma tão trágica. Até porque Francisco trabalhou, ao longo de vários verões, no Bar Postigo, um dos mais frequentados pelos jovens da zona. Há inclusive quem esteja preocupado com a reacção dos filhos ao desaparecimento de um dos seus ídolos: “Nem sei como vou dar a notícia à minha filha de oito anos. Ela seguia a novela religiosamente. Além disso, cruzava-se com o Francisco por aqui.”

'DINO' E 'SUSANA' IAM VIVER ROMANCE

‘Dino’ e ‘Susana’ estavam destinados um ao outro. Os autores da novela, a Casa da Criação, tinham decidido juntar o casal interpretado por Francisco Adam e Diana Chaves e promovê-los a protagonistas do romance da edição de Verão de ‘Morangos com Açúcar’, um pouco à imagem do que aconteceu com ‘Pipo’ (João Catarré) e ‘Joana’ (Benedita Pereira).

Aliás, os dois jovens andavam em plena fase de sedução com ‘Susana’ a rejeitar os avanços de ‘Dino’, mas sempre evitando perdê-lo de vista. Inês Gomes, coordenadora da novela, e responsável pela construção do personagem de Francisco, não quis comentar o futuro da produção pelo “momento difícil que se atravessa”. No entanto, João Matos, que, anteriormente, integrou a equipa da Casa da Criação, refere que “não vai ser fácil ultrapassar esta situação, que é nova no nosso país. Ainda para mais, o Francisco estava a ser preparado para assumir o protagonismo da novela.”

Fonte: Correio da Manhã

Noticia::

.Televisão


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

.Outubro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ultimos Posts

. João Catarré e Patrícia C...

. A vida difícil de José Fi...

. O Regresso (talvez)

. No novo desafio de Alexan...

. Maria João Bastos content...

. António Pedro Cerdeira co...

. Leonor Seixas e Albano Je...

. Ricardo Pereira vale ouro

. Merche Romero - Família d...

. Clara de Sousa - Dança at...

.arquivos

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.Contador

online

.Quantas pessoas já passaram por aqui e eplo blog antigo:

blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários